sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Falta

Pelos dias vão ficando um pouco do que se desejou. 
Ficam os sonhos perdidos e aqueles taxados impossíveis
O vento, o céu, o sal das lágrimas que caíram....
Não há mais tempo porque o tempo nunca existiu
Existe apenas falta;
Infundada, retraída, desmedida. 
Por que? O que? Pra que?

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Walsh !

Meu Amor e Carinho dou de graça. Porque amizade precisa também ter um gosto de casa.Ter um amigo é o mesmo que poder chegar no seu quarto jogar um sapato em cada canto, se jogar na cama do jeito mais bagunçado e se sentir seguro, aliviado, descansado. 
Meu amor e carinho, procuro dar em doses homeopáticas, a vida ensina a ter cuidado com pessoas breves. Mas, para os que já são minha morada, multiplico a dose todo dia, porque sentir que sempre há um lugar pra onde pode voltar, sem que te julguem ou acusem não tem preço no mundo. Porque ter como lar um coração que te faz sentir especial sendo quem se é, com todos os grandiosos defeitos.... Não há amor e carinho que pague. 


quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Mas e a vida?
A vida é uma bastarda pregadora de peças. Felicidade é momento, ruína é eternidade.
Sensatez é dificuldade.
A garganta está cheia, a uma faísca do pavio fazer tudo explodir.
Seja ponderada, esqueça o egoísmo.
Veja quem importa, seja disposta.
Mas e a vida?
Quem sabe dela? Tem gente por ai até jurando: Existe manual.
Se existe, não sei, não vi.

domingo, 23 de junho de 2013

Grito

Em um "plim" a alma pediu calma.
Foi em um "tum" que o coração implorou: Cala!
Versa com o que o momento te deu, compreende o que o momento concedeu.
As vezes o acerto passa despercebido. E o erro... Ah o erro! Vira julgamento, sabedoria, conselho, história para a posteridade...
No fundo todos queremos ser salvador de si mesmo ou salvador do mundo. Ou então, apenas estamos esperando o herói de brinquedo bem como dizia Chico "Vem, me dê a mão; A gente agora já não tinha medo; No tempo da maldade acho que a gente nem tinha nascido"...
Uns contam com a sorte, outros com o destino. Alguns simplesmente acreditam que o amanhã se constrói com trabalho e suor. Eu prefiro acreditar que é um pouco de cada coisa mais a oração diária, de que os passos sejam firmes, as horas sejam proveitosas. Que os céus abençoem, e que acada qual seja dono do que lhe cabe. Do que simples e mente lhe é de direito!

sábado, 13 de abril de 2013

Merece


E se um dia a gente se reencontrar, faz de conta que é a primeira vez. Lança teu sorriso na direção de meus olhos e me faz apaixonar como da primeira vez. Apaga da memória tuas lágrimas, temores e sofreres e causa amnésia em mim. Faz-me saber somente do que o segundo de nosso primeiro segundo olhar fez, desfez, concluiu.
E se de fato o reencontro for inevitável, apenas lembra, dos versos, das melodias. Lembra do salto alto, do batom vermelho, das declarações e promessas mas, por favor, faz de conta que nunca existiu o tchau, até logo, me esquece. Apenas aquece, merece, recebe, oferece. O meu, o teu, o nosso... Seja o que for.

sábado, 2 de março de 2013

E foi num sábado assim que a história começou. Princesa torta, Príncipe desencantado haveriam de se encontrar. Foi assim em uma manhã de preguiça, que caminhos, pedras e pedregulhos se alinhariam para edificar. Romance ficou na memória esquecida, os caminhos voltaram a sua bifurcação natural. Parcela de maturidade, pitada de saudade. Coisas de um sábado qualquer que mudam os dias de lugar!

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

A pele rejeitou, repeliu.O que era pra ser antídoto esfacelou e aumentou o inconstante vazio. O nada sempre trás algo como companhia; Assim como o silêncio é um dicionário de palavras camufladas. Sorriso pintado, muros que se levantam. Labirinto de caminhos mutáveis sem saída. Qual seria a cura? Foi um sonho que se fez impossível realizar, foi o vento que soprou... E qualquer vento é para que a biruta se eleve. Assim como o vento passa, passa a vida.



"Vento", de Van Gogh

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013


Uma parte de mim se vai todo dia enquanto outra chega.
Um adeus desprendido, uma aparição sem aviso prévio.
O vento bate no rosto, o sol queima a pele, a chuva e seu cheiro de poeira.
Sentir ou fazer sentido? Ter presença ou se fazer presente?
A eternidade de um segundo para a lembrança de uma vida inteira;
Os olhos fecharam, a pele arrepiou...
Quanta coisa se vive em um suspiro...
Comprido, ritmado.
Profundo e esquecido em uma noite de duas estrelas,
uma mais ao norte, outra a noroeste.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013


Abrigo, Abraço, Espaço
Interesse, Encanto, Impacto.
Que era de João nunca foi de Maria,
Que era de Maria sempre foi de João.
O erro sempre esteve onde não havia meio.
Termos, Acordos, Ilusão.
Um ficou por medo, outro foi por indecisão.
O vento soprou o destino, a garoa fina selou a história.
Ficou a memória, foi o que tinha de ser.
Preservou os sentidos, mas esqueceu de sentir.
Um sonho, um traço, um plano;
O mar é vasto, as possibilidades infinitas.
Lua Cheia, céu estrelado, sol escondido, dia amarrotado.
E o sentido perdeu-se no mundo encantado de Alice;
Foi enganado pelo tempo, fez par com outros ângulos.
Traço metrificado, linhas fora de ordem.
Lógica inibida para uma vida desinibidamente sem regras.
Manual é capricho da robotização.
Viver e ter nas mãos o não saber se haverá amanhã.
Se é que amanhã virá.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

O Mito

Um dia Ela escreceu pra mim....

The myth of Daniela


Gabriella Walsh

Seu culto é lendário 
Não possui manto 
Nem sudário 
Mas, sim um leve e doce Canto 

Seu sorriso serviria de inspiração 
Construiria a Primavera de todo um milênio de estações 
Instigante, provocante... A personificação de uma canção 
Sua doçura, suas atrapalhadas, mostram suas variações. 

Os gregos são sua fonte de curiosidade 
Seus anos vividos fizeram dela tão valorosa quanto os guerreiros que admira. 
Os romanos a encantam assim como um dia reza lenda que ela os encantou. 
Do Ocidente ao Oriente se verá o brilho dela que é já uma humana divindade 

Apoiou grandes feitos 
Presenciou grandes derrotas 
Escreveu sobre grandes dores 
Profetizou lendárias previsões 

Uma heroína com história 
Uma vidente com memória 
uma mistura de deusa de oratória 

Seu papel cumpriu 
Prometeu-se a si mesma mais valor 
Deu ao mundo um valor desproporcional 
Tornou-se a divindade preferida de muitos 

O nome da deusa se ouve na cabeça 
Muitas vezes minhas súplicas foram para ela. 
Sempre atendida 
Resolvi, em síntese, contar sua vida.